terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

[Resenha] Na minha onda


Carnaval está acabando, mas aqui vai uma sugestão para quem quer continuar no clima da folia por mais um tempo.

A dica é Na Minha Onda, da escritora mineira Laura Conrado. A protagonista é Vitória Prata, uma cantora baiana que fez muito sucesso enquanto teve uma dupla de axé com a melhor amiga, Carol Laine, porém, quando resolveu sair do As Elétricas e tentar carreira solo como cantora de MPB não teve o mesmo sucesso e acabou voltando para casa dos pais, em Salvador. Se sentindo no fundo do poço, surge uma oportunidade de voltar aos palcos na nova turnê de Carol Laine, reeditando a dupla de sucesso.

Em meio aos ensaios, shows e apresentações na mídia, Vitória terá que lidar com a mágoa que sente de Carol, por ter conseguido se manter em alta; os sentimentos que sente por Lucas, primo da amiga e paixão desde a adolescência; as exigências e as fofocas que rolam no mundo dos famosos, e um fã maníaco que persegue a dupla.

Apesar de se ambientado em um universo da fama, os dilemas que Vitória enfrentam são muito próximos da nossa realidade e isso facilita a identificação com a protagonista. Afinal, quem nunca teve que lidar com a baixa auto-estima, aquele sentimento de não ter o seu trabalho valorizado, a insegurança, a inveja e a pressão estética, entre outros? Além disso, o livro apresenta uma leitura muito fluida e divertida. A capa é linda, imitando uma textura de pintura na madeira. O projeto gráfico também é muito bonito.

E para deixar tudo ainda mais gostoso, Laura Conrado compôs Filme de Amor, com colaboração da cantora Flávia Ellen. A letra é uma delícia!!!





Vocês também encontram a música no Spotify.

"O filme de amor que não sai da minha cabeça, meu amor, talvez você não reconheça, mas o que eu tenho a te dar é mais forte que o mar"


Ficha técnica:
Título: Na Minha Onda
Autora: Laura Conrado
Ano: 2017
Gênero: Chick lit
Editora: Globo Alt
Páginas: 288

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

[Clube do Livro] Extraordinário

Vocês acharam que a gente não ia debater hoje?

Olá galerinha de Pemberley! Turu pom?! 😘

Estamos um pouco sumidinhas, pedimos desculpas, mas… We are back! 😎
E, como não poderia ser diferente, vamos falar sobre nosso Clube do Livro, que não morreu, apenas deu uma dormida rápida!!! 😬


Nosso último debate foi sobre Extraordinário, livro e filme. E as impressões foram unânimes: Incrível. A quantidade de coisas que a gente aprende, as auto avaliações, a simplicidade da narrativa - levando em consideração que quem conta a história é uma criança - e a profundidade das emoções e lições que o livro traz, o tornaram a melhor leitura de 2017 para a maioria de nós.

Ressaca literária? Pfffff… óbvio!

Quanto ao filme, incrivelmente fiel ao livro - considerando transformar 188 páginas em cenas de 2h - só tivemos uma ressalva: A caracterização de Augie foi pouco pra o que é descrito. Mas pra não causar estranhamento que comprometesse o desenvolvimento do espectador, ficou ótimo.

Na história, é muito natural nos identificarmos com personagem x ou y durante a leitura, como no momento da declaração de Jack sobre Augie para ser aceito pelo grupo, ou a irmã que se vê sempre em segundo plano e tem seus ataques de vez em quando apesar de amar profundamente o irmão, ou na pele de Miranda quando vemos que a grama do vizinho, mesmo um pouco queimada, é mais verde que a nossa. 

Um livro que desperta empatia.

É impossível não chorar, de emoção, raiva ou tristeza, em certos pontos do livro/filme, então não se acanhe! Prepare uma caixinha de lenços e mergulhe num mundo Extraordinário de uma criança inigualável que apenas começou a viver em sociedade, e parece que já andou bem mais do que todos nós!



Ficha Técnica:
Título: Extraordinário (Wonder)
Autor: R. J. Palacio
Ano: 2013
Gênero: Juvenil
Editora: Intrínseca
Páginas: 320

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

O Fantasma de Stálin

Título no Brasil: O Fantasma de Stálin
Título Original: Stalin's ghost
Autora: Martin Cruz Smith
Tradução: Maria Sojé Silveira
Editora: Record
Páginas: 397
Sinopse:O fantasma de Stálin parece vagar pelos corredores escuros do metrô de Moscou. Há testemunhas de sua aparição, e os rumores começam a se espalhar, disseminando inquietude pela cidade. A tarefa de resolver o estranho caso é de Arkady Renko — apresentado ao leitor em Parque Gorki — que não está disposto a acreditar em sobrenatural. Para ele, o fenômeno tem todas as características de um teatro montado para fins políticos no qual o objetivo seria reacender uma nostalgia latente em todo o povo russo. Na busca pela verdade, Renko descobrirá segredos sobre a Segunda Guerra Mundial que muitos estão dispostos a proteger.


- - x - -

Comprei esse livro por 10 reais e nunca tinha visto nada do autor, quando comecei a ler confesso que pensei em largar o livro com apenas poucas páginas lidas. Para mim a historia foi um pouco confusa e com uma leitura dificil, mas aos poucos a leitura pareceu fluir um pouco melhor.

Arkady Renko é um investigador que não está em seus melhores dias na profissão e na vida pessoal, ele é incumbido de investigar a aparição de Stálin em algumas estações de metrô em Moscou, o que não é nada fácil para ele. Junto com todos esse mistério envolvendo fantasma e assassinato temos as confusões amorosas do detetive. Talvez por todo o enredo envolver assuntos “complexos” e que precisassem de muita atenção do leitor para entender, já que tudo era colocado de forma misturada e acontecendo ao mesmo tempo, o livro ficou um pouco pesado e cansativo.

O que mais amei no livro foi o retrato que ele passa da Rússia atual, algo meio sombrio, mas cativante ao mesmo tempo. As descrições de cenários e detalhes da cena foi algo que realmente gostei, me senti presenciando as situações, apesar de sempre parecer que pulou algo (como se tivesse cortado a cena no meio,ela estava fluindo bem quando de repente mudou para a próxima).

Apesar de ter achado uma leitura confusa e um pouco densa demais, gostei bastante do livro em si e talvez reler ele seja algo interessante para entender alguns pontos que eu possa ter deixado passar. Li muitas criticas positivas sobre o outro livro do autor, Parque Gorki, e quero muito ler para ver se entendo um pouco mais sobre o personagem, o detetive Renko.